COMISSÃO CIENTÍFICA & EDITORIAL

Comissão científica

 

David H. Johnson
Nos últimos 40 anos David H. Johnson tem estado ligado às componentes científica, legal e de gestão na área da biodiversidade, peixes de água doce, florestas, ecologia marinha e engenharia civil. As rapinas noturnas foram sempre a sua paixão. A sua investigação sobre rapinas noturnas teve início em 1976, com um papel de relevo na conservação de Strix occidentalis no noroeste dos Estados Unidos da América, entre 1993 e 1996. Em 2001, David fundou o Global Owl Project, um consórcio de cerca de 450 pessoas a trabalhar em investigação e conservação de rapinas noturnas em 66 países.
James Duncan

James Duncan, nascido em Montreal, Quebec, obteve os graus de bacharel em ciências (1982 – Honours em Zoologia – Univ. Guelph), de bacharel em educação (1983 – Biologia/Química – Univ. Queen’s),  de mestre (1985 – Zoologia – Univ. McGill) e de doutor (1992 – Zoologia – Univ. Manitoba). Trabalha desde 1992 em biologia da conservação e é atualmente o Diretor do Manitoba Wildlife and Fisheries Branch. James tem feito investigação sobre rapinas noturnas nos últimos 35 anos e publicou vários artigos científicos, livros e atas de congressos em todo o mundo. Orienta também trabalhos académicos sobre rapinas noturnas e outras aves de rapina como professor adjunto em duas universidades.

Dries Van Nieuwenhuyse

Dries Van Nieuwenhuyse é especialista em impacto da tecnologia e da estatística nos processos de tomada de decisão das organizações em Benelux. Está envolvido como coach de executivos para otimizar a tomada de decisões e processos subjacentes nas organizações. Dries administra palestras sobre Gestão de Desempenho, Negócios e Inteligência Analítica na EHSAL Management School (Odisee), Thomas More (Mechelen). É também diretor do programa de Gestão de Desempenho Corporativo na EHSAL Management School (Odisee). É membro da Hogenheuvelcollege (Katholieke Universiteit Leuven) e é investigador no Centro de Competência Thomas More Business Intelligence. Dries estuda e publica sobre o mocho-galego (Athene noctua) e o picanço-de-dorso-ruivo (Lanius collurio). É co-autor de um livro sobre o mocho-galego da Cambridge University Press e de diversos livros sobre mocho-galego e picanços na Holanda.

Ricardo Tomé

Sou ornitólogo e especialista em ecologia com uma grande paixão por rapinas noturnas, que me levou a desenvolver o Doutoramento em Ecologia da coruja-das-torres e do mocho-galego em habitats mediterrânicos. Presentemente trabalho na empresa STRIX, sobretudo em monitorização ambiental e avaliação de impacte. A maioria dos projetos em que estou envolvido têm como objetivo reduzir os impactes de parques eólicos em aves e em corredores de migração para aves, através de deteção por radar e desligação temporária das turbinas. Estive ativamente envolvido na conservação de aves através de colaborações com a BirdLife International, em Portugal e a nível internacional. As rapinas noturnas continuam a ser a minha maior paixão e sou também co-coordenador do Grupo de Trabalho sobre Aves Noturnas (GTAN-SPEA) em Portugal.

Rui Lourenço

Nascido em 1977, em Lisboa. A minha dissertação em Zoologia (Univ. Lisboa, 2000) foi sobre o bufo-real. A minha tese de Mestrado em Biologia da Conservação (Univ. Évora, 2005) focou-se na dieta do bufo-real. A minha tese de Doutoramento em Biologia (UÉvora, 2011) focou-se nas interações competitivas e predação do bufo-real sobre outras rapinas. O meu principal interesse em investigação são as rapinas noturnas, tendo estudado aspetos como dieta, distribuição, interações, ecologia de estradas e ecotoxicologia. Além da investigação, trabalhei em conservação e educação em ONGs. Atualmente sou investigador de Pós-doutoramento no LabOr, Universidade de Évora e também coordeno o Programa Noctua-Portugal (GTAN-SPEA).

Inês Roque

Iniciei o trabalho com rapinas noturnas em 2001, com o projeto final da Licenciatura em Biologia sobre a ecologia da coruja-das-torres. A minha tese de Mestrado em Biologia da Conservação focou-se na comunidade de rapinas noturnas de um sistema silvo-pastoril e a minha tese de Doutoramento em Biologia focou-se na coruja-das-torres como biomonitor de contaminação ambiental. Membro do LabOr, Universidade de Évora desde 2004, sou responsável executiva pelo Projeto TytoTagus desde 2006. Interesso-me principalmente por ecologia e conservação, ecotoxicologia, etno-ornitologia e transferência do conhecimento científico para a sociedade, com as rapinas noturnas como fio condutor. Sou co-coordenadora do Grupo de Trabalho sobre Aves Noturnas (GTAN-SPEA).

Comissão editorial

 

David H. Johnson
Nos últimos 40 anos David H. Johnson tem estado ligado às componentes científica, legal e de gestão na área da biodiversidade, peixes de água doce, florestas, ecologia marinha e engenharia civil. As rapinas noturnas foram sempre a sua paixão. A sua investigação sobre rapinas noturnas teve início em 1976, com um papel de relevo na conservação de Strix occidentalis no noroeste dos Estados Unidos da América, entre 1993 e 1996. Em 2001, David fundou o Global Owl Project, um consórcio de cerca de 450 pessoas a trabalhar em investigação e conservação de rapinas noturnas em 66 países.
James Duncan

James Duncan, nascido em Montreal, Quebec, obteve os graus de bacharel em ciências (1982 – Honours em Zoologia – Univ. Guelph), de bacharel em educação (1983 – Biologia/Química – Univ. Queen’s),  de mestre (1985 – Zoologia – Univ. McGill) e de doutor (1992 – Zoologia – Univ. Manitoba). Trabalha desde 1992 em biologia da conservação e é atualmente o Diretor do Manitoba Wildlife and Fisheries Branch. James tem feito investigação sobre rapinas noturnas nos últimos 35 anos e publicou vários artigos científicos, livros e atas de congressos em todo o mundo. Orienta também trabalhos académicos sobre rapinas noturnas e outras aves de rapina como professor adjunto em duas universidades.

Dries Van Nieuwenhuyse

Dries Van Nieuwenhuyse é especialista em impacto da tecnologia e da estatística nos processos de tomada de decisão das organizações em Benelux. Está envolvido como coach de executivos para otimizar a tomada de decisões e processos subjacentes nas organizações. Dries administra palestras sobre Gestão de Desempenho, Negócios e Inteligência Analítica na EHSAL Management School (Odisee), Thomas More (Mechelen). É também diretor do programa de Gestão de Desempenho Corporativo na EHSAL Management School (Odisee). É membro da Hogenheuvelcollege (Katholieke Universiteit Leuven) e é investigador no Centro de Competência Thomas More Business Intelligence. Dries estuda e publica sobre o mocho-galego (Athene noctua) e o picanço-de-dorso-ruivo (Lanius collurio). É co-autor de um livro sobre o mocho-galego da Cambridge University Press e de diversos livros sobre mocho-galego e picanços na Holanda.

Inês Roque

Iniciei o trabalho com rapinas noturnas em 2001, com o projeto final da Licenciatura em Biologia sobre a ecologia da coruja-das-torres. A minha tese de Mestrado em Biologia da Conservação focou-se na comunidade de rapinas noturnas de um sistema silvo-pastoril e a minha tese de Doutoramento em Biologia focou-se na coruja-das-torres como biomonitor de contaminação ambiental. Membro do LabOr, Universidade de Évora desde 2004, sou responsável executiva pelo Projeto TytoTagus desde 2006. Interesso-me principalmente por ecologia e conservação, ecotoxicologia, etno-ornitologia e transferência do conhecimento científico para a sociedade, com as rapinas noturnas como fio condutor. Sou co-coordenadora do Grupo de Trabalho sobre Aves Noturnas (GTAN-SPEA).