COMISSÃO ORGANIZADORA

Equipa

Inês Roque

Iniciei o trabalho com rapinas noturnas em 2001, com o projeto final da Licenciatura em Biologia sobre a ecologia da coruja-das-torres. A minha tese de Mestrado em Biologia da Conservação focou-se na comunidade de rapinas noturnas de um sistema silvo-pastoril e a minha tese de Doutoramento em Biologia focou-se na coruja-das-torres como biomonitor de contaminação ambiental. Membro do LabOr, Universidade de Évora desde 2004, sou responsável executiva pelo Projeto TytoTagus desde 2006. Interesso-me principalmente por ecologia e conservação, ecotoxicologia, etno-ornitologia e transferência do conhecimento científico para a sociedade, com as rapinas noturnas como fio condutor. Sou co-coordenadora do Grupo de Trabalho sobre Aves Noturnas (GTAN-SPEA).

Carlos Godinho

Mestre em Biologia da Conservação e doutorado em Biologia (Universidade de Évora), os meus principais interesses em Ornitologia são o estudo de comunidades de aves, as aves como bioindicadores, metodologias de censos e anilhagem científica. Sou membro do LabOr, Universidade de Évora, co-responsável pela Estação de Esforço Constante da Herdade da Mitra e membro da Comissão Científica do III Atlas das Aves Nidificantes de Portugal.

Rui Lourenço

Nascido em 1977, em Lisboa. A minha dissertação em Zoologia (Univ. Lisboa, 2000) foi sobre o bufo-real. A minha tese de Mestrado em Biologia da Conservação (Univ. Évora, 2005) focou-se na dieta do bufo-real. A minha tese de Doutoramento em Biologia (UÉvora, 2011) focou-se nas interações competitivas e predação do bufo-real sobre outras rapinas. O meu principal interesse em investigação são as rapinas noturnas, tendo estudado aspetos como dieta, distribuição, interações, ecologia de estradas e ecotoxicologia. Além da investigação, trabalhei em conservação e educação em ONGs. Atualmente sou investigador de Pós-doutoramento no LabOr, Universidade de Évora e também coordeno o Programa Noctua-Portugal (GTAN-SPEA).

Ana Marques

Licenciada em Biologia Marinha e Pescas e mestre em Gestão e Conservação dos Recursos Naturais (Univ. Algarve), comecei por desenvolver trabalho na área das pescas interiores, elaborando propostas de gestão para algumas espécies aquícolas de maior interesse ecológico. Em 2006 integrei a equipa do Projeto TytoTagus no LabOr, Universidade de Évora e descobri um interesse especial por rapinas noturnas. Interesso-me particularmente pelas áreas ligadas à conservação da natureza, com especial enfoque naquelas relacionadas com aves de rapina noturnas.

João E. Rabaça

Licenciado em Biologia (Univ. Lisboa) e doutorado em Biologia (Univ. Évora). Desempenho as funções de Professor Auxiliar no Dept. de Biologia da Universidade de Évora e sou o atual Diretor do Mestrado em Biologia da Conservação. Lidero o LabOr, Universidade de Évora e os meus principais interesses residem no domínio da ecologia de aves, em particular na compreensão da composição e estrutura de comunidades orníticas associadas a formações ripícolas e florestais, no efeito das alterações das práticas agrícolas na distribuição e abundâncias de espécies prioritárias, na biologia e ecologia de rapinas noturnas e em aspetos metodológicos das técnicas de censo. Tenho ainda um particular interesse na difusão da cultura científica utilizando as aves como modelo de referência.

Rede internacional

Hein Bloem

O interesse de Hein em rapinas noturnas começou em 1994, pelos mochos-galegos existentes na sua área de residência. Procurou outras pessoas para saber mais sobre o tema, o que o levou a ser co-fundador do Grupo de Trabalho sobre o Mocho-galego (STONE) na Holanda em 1997. Foi tesoureiro da comissão organizadora do World Owl Conference 2007. Atualmente Hein vive em Houston, Minnesota, EUA.

Roy Leigh

Roy é consultor e ecólogo em Cheshire, Inglaterra e tem estudado rapinas noturnas nos últimos 30 anos. Os seus principais interesses são dinâmica populacional e conservação. Trabalha com várias espécies focando-se sobretudo no mocho-galego (Athene noctua) e na coruja-das-torres (Tyto alba). Roy foi um dos fundadores do Grupo de Trabalho sobre o Mocho-galego no final da década de 1990 e está a tentar formar o Grupo de Trabalho sobre a Coruja-das-torres. Roy está atualmente a desenvolver um projeto sobre aves de rapina em habitats agrícolas, que envolve monitorização de rapinas noturnas e diurnas através de várias técnicas. O objetivo do trabalho é desenvolver iniciativas de conservação para manter e aumentar as populações locais de aves de rapina.

Karla Bloem

Karla tem um bacharelato em biologia (Luther College, 1994). Trabalha em educação com rapinas noturnas há 18 anos e estuda vocalizações de Bubo virginianus há 12 anos. Esteve envolvida na obtenção de proteção legal para o Bubo virginianus no Minnesota em 2005. É a fundadora e Diretora Executiva do International Owl Center, coordenadora do International Festival of Owls e do World Owl Hall of Fame. Karla vai desenvolver um workshop sobre rapinas noturnas na educação no World Owl Conference 2017. Com contributos de especialistas nesta área, pretende-se criar recursos para quem trabalha neste tema por todo o mundo e em vários contextos culturais.

James Duncan

James Duncan, nascido em Montreal, Quebec, obteve os graus de bacharel em ciências (1982 – Honours em Zoologia – Univ. Guelph), de bacharel em educação (1983 – Biologia/Química – Univ. Queen’s),  de mestre (1985 – Zoologia – Univ. McGill) e de doutor (1992 – Zoologia – Univ. Manitoba). Trabalha desde 1992 em biologia da conservação e é atualmente o Diretor do Manitoba Wildlife and Fisheries Branch. James tem feito investigação sobre rapinas noturnas nos últimos 35 anos e publicou vários artigos científicos, livros e atas de congressos em todo o mundo. Orienta também trabalhos académicos sobre rapinas noturnas e outras aves de rapina como professor adjunto em duas universidades.

Dries Van Nieuwenhuyse

Dries Van Nieuwenhuyse é especialista em impacto da tecnologia e da estatística nos processos de tomada de decisão das organizações em Benelux. Está envolvido como coach de executivos para otimizar a tomada de decisões e processos subjacentes nas organizações. Dries administra palestras sobre Gestão de Desempenho, Negócios e Inteligência Analítica na EHSAL Management School (Odisee), Thomas More (Mechelen). É também diretor do programa de Gestão de Desempenho Corporativo na EHSAL Management School (Odisee). É membro da Hogenheuvelcollege (Katholieke Universiteit Leuven) e é investigador no Centro de Competência Thomas More Business Intelligence. Dries estuda e publica sobre o mocho-galego (Athene noctua) e o picanço-de-dorso-ruivo (Lanius collurio). É co-autor de um livro sobre o mocho-galego da Cambridge University Press e de diversos livros sobre mocho-galego e picanços na Holanda.

David H. Johnson
Nos últimos 40 anos David H. Johnson tem estado ligado às componentes científica, legal e de gestão na área da biodiversidade, peixes de água doce, florestas, ecologia marinha e engenharia civil. As rapinas noturnas foram sempre a sua paixão. A sua investigação sobre rapinas noturnas teve início em 1976, com um papel de relevo na conservação de Strix occidentalis no noroeste dos Estados Unidos da América, entre 1993 e 1996. Em 2001, David fundou o Global Owl Project, um consórcio de cerca de 450 pessoas a trabalhar em investigação e conservação de rapinas noturnas em 66 países.
Aki Higuchi

Comecei a estudar a Coruja-dos-urais em 1994. Em 1997, enquanto estudante, participei na 2ª World Owl Conferece em Winnipeg, onde conheci muitas pessoas que me ajudaram a avançar na minha investigação. Também participei da 3 ª conferência em Canberra em 2001 e na 4ª em Groningen em 2007.
No Japão, existem grandes áreas de florestas artificiais que precisam ser adequadamente geridas para conservar a biodiversidade. Eu instalei mais de 100 caixas de ninho em áreas e florestais naturais e artificiais e recolho dados básicos para determinar planos de gestão adequados.
Depois de obter meu diploma de doutoramento, estudei biologia molecular na Universidade de Waseda.
Atualmente trabalho no Museu Nacional da Natureza e Ciência, na área da Ornitologia.

Colaboradores

Artur Oliveira

Fotógrafo. Desde muito novo que tenho interesse pelas aves de rapina noturnas. Faço parte da equipa fundadora do STRI-Rapinas Nocturnas de Portugal, um projeto da Associação ALDEIA.

Célia Gomes

Licenciada em Biologia – Ramo científico-tecnológico, pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Com Pós-Graduação em Biologia da Conservação, obtida na Universidade de Évora. Desenvolvo trabalho essencialmente na área de monitorização ambiental, em particular estudos faunísticos. Os meus principais interesses são a importância do património natural como fator real de valorização de áreas rurais e a biologia e ecologia de aves de rapina noturnas. Sou colaboradora permanente do projeto STRI-Rapinas Nocturnas de Portugal.

Pedro Marques

Licenciado em Engenharia Agro-industrial, pelo  Instituto Superior de Agronomia. Com Pós-graduação em Gestão da Segurança, Higiene e Saúde do Trabalho, obtida no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. Dedico-me à observação, fotografia e ao estudo das aves nos meus tempos livres. Sou colaborador permanente do projeto STRI-Rapinas Nocturnas de Portugal.

Voluntários

Equipa de voluntários

A nossa equipa de voluntários é composta por estudantes do Mestrado em Biologia da Conservação da Universidade de Évora.

André Oliveira

Cátia Gamito

Patrícia Santos

Pedro Freitas

Pedro Ribeiro

Rui Silva

Shirley Horst

Cláudia Lopes

Luisa Crisóstomo